sexta-feira, 9 de novembro de 2012

UM GIRO PELO PAIS. COMO ANDA A SEGURANÇA PÚBLICA.


Folha de Pernambuco

Polícia

SEGURANÇA

Operação Alvorada prende 18 suspeitos de homicídios e tráfico de drogas

Entre as prisões estão três policiais, dois da ativa e um sargento reformado

08/11/2012 06:41 - RUI GONÇALVES, com informações de ALEXANDRA TORRES - da Rádio Folha FM

Bruno Campos/Folha de Pernambuco
Quadrilhas atuavam nos municípios de Olinda, Paulista, Recife, Vitória de Santo Antão, Cabo de Santo Agostinho, Caruaru e Limoeiro.
Atualizada às 10h30
Uma operação da Secretaria de Defesa Social, através das Polícias Civil e Militar, realizada, na manhã desta quinta-feira (08), cumpriu 18 mandados de prisão preventiva e 21 de busca e apreensão domiciliar. Entre os detidos estão três policiais, um soldado da radiopatrulha, um cabo do 21° Batalhão da Polícia Militar de Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, e o sargento reformado José Arcelino de Lima. Todos os mandados foram expedidos pela 3° Vara Criminal de Olinda. A polícia apresenta os detalhes da operação nesta sexta-feira (09).
A operação, intitulada de Alvorada, contou com a participação de 170 policiais. Desse número, 100 agentes da PC e 70 militares. As investigações começaram em maio de 2012. A Delegacia de Peixinhos, em Olinda, com o apoio do Centro Integrado de Inteligência de Defesa Social (CIIDS) e o Núcleo de Inteligência do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) foram responsáveis pelas diligências policiais que resultaram na Operação Alvorada. As quadrilhas atuavam nos municípios de Olinda, Paulista, Recife, Vitória de Santo Antão, Cabo de Santo Agostinho, Caruaru e Limoeiro.



http://www.seeklogo.com/images/O/O_Estado_de_Sao_Paulo-logo-9CC959C6E8-seeklogo.com.gif

Estado de SP dobra indenização para os familiares de policiais mortos

Seguro será de R$ 200 mil; agentes de segurança em folga também terão direito ao benefício

08 de novembro de 2012 | 22h 30

Camila Brunelli - O Estado de S. Paulo
SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta quinta-feira, 8, que vai dobrar a indenização para os familiares de policiais mortos. Para cada policial civil, militar ou agente penitenciário será pago R$ 200 mil. "E não será apenas para o policial no seu trabalho, e sim na sua condição de policial. Aquele caso em que a pessoa estava de folga, mas o óbito foi decorrente da condição policial, o seguro vai cobrir", disse Alckmin. 
O anúncio foi feito nesta quinta-feira durante evento na Secretaria Estadual da Saúde e é uma resposta à onda de violência no Estado. Desde o começo do ano, 90 policiais militares foram mortos.
O contrato anterior previa que somente familiares de policiais mortos em serviço ou no trajeto de ida ou volta ao trabalho teriam direito ao seguro. Com assassinatos de policiais da reserva e em dias de folga, o governo reconsiderou a cláusula. 
O novo valor, no entanto, não tem data para entrar em vigor. Estudo para elaboração do edital ainda está em curso e só depois disso será feita a licitação.
Violência. Alckmin disse também que o momento de tensão pelo qual o Estado passa está perto de acabar. "As mortes já estão em processo de queda. Eu tenho feito um acompanhamento diário, elas já estão caindo, estão acontecendo em um ritmo bem menor", afirmou. O governador admitiu que os assassinatos são uma reação do crime organizado. Em São Paulo, o Primeiro Comando da Capital (PCC) domina o tráfico de drogas. 
Alckmin disse também que a parceria com o governo federal está "indo muito bem". Além da transferência de presos paulistas para a Penitenciária Federal de Porto Velho, ele contou que o Instituto de Criminalística trabalha com o governo federal focado nas investigações sobre tráfico de drogas. "Queremos saber a origem da droga para ter uma ação mais eficaz." A atenção está voltada às fronteiras. Uma reunião com integrantes da agência de ação integrada de segurança deverá ser realizada na próxima segunda-feira.

Alckmin diz que violência diminuiu nos últimos dias

Governador voltou a assumir que assassinatos de policiais militares ocorreram a mando do crime organizado

08 de novembro de 2012 | 14h 08

Camila Brunelli - O Estado de S. Paulo
SÃO PAULO -  O governador Geraldo Alckmin disse na manhã desta quinta-feira, 8, durante evento na sede da Secretaria do Estado da Saúde, na Avenida Doutor Arnaldo, na zona oeste de São Paulo, que o momento violento pelo qual o Estado passa está  perto de acabar. "As mortes já estão em processo de queda. Eu tenho feito um acompanhamento diário, elas já estão caindo, estão acontecendo em um ritmo bem menor", respondeu sobre as mortes que continuam acontecendo na capital. 
"Eu não tenho duvida que esse momento que nós estamos vivendo vai passar. Vai passar com muito trabalho, com perseverança e com a polícia não recuando, com a polícia cumprindo seu papel de cumprir a lei e proteger a população", disse o governador.
Ao contrário do secretário de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, que afirmou que as mortes de policiais eram aleatórias, Alckmin assumiu que esses assassinatos são uma reação do crime organizado ligado ao tráfico de drogas. Ao todo, 92 policiais militares foram mortos no Estado neste ano. Escutas telefônicas feitas pela polícia flagaram líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) ordenando a morte de agentes de segurança do Estado.
Agência. Na última terça-feira, 6, o governo de São Paulo e o governo Federal anunciaram a criação de uma agência que irá  integrar as polícias Federal, Militar e Civil, Rodoviária Federal (PRF) e Estadual, Secretaria de Segurança Pública (SSP), Depem, órgão que administra as cadeias federais, Receita Federal, Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), Secretaria da Fazenda, polícia técnico científica e Ministério Público Estadual (MPE).
Dentre as ações de combate ao crime organizado estão o contenção por mar, terra e ar. A fiscalização dos acessos ao Estado, incluindo o porto de Santos, no litoral de São Paulo, e os aeroportos. Nas regiões identificadas como epidêmicas de crack serão instaladas base comunitárias móveis com videomonitoramento. Líderes do PCC e pessoas identificadas como executoras de policiais também estão sendo transferidos para presídios federais de segurança máxima.


http://4.bp.blogspot.com/-3nNX1HvNqJY/UBuwt0ScFzI/AAAAAAAAXwE/ZrReMu1sYaY/s1600/midia+-+zero+hora.gif
RIO GRANDE DO SUL
Aposta ilegal08/11/2012 | 23h08

Polícia flagra jogo do bicho em lotéricas de shoppings da Capital

Três estabelecimentos tiveram serviços da Caixa suspensos e podem ser descredenciados


Com lojas em shoppings da Capital, três lotéricas foram flagradas pela Polícia Civil recolhendo apostas do jogo do bicho para os clientes. Os serviços foram suspensos temporariamente pela Caixa Econômica Federal, e elas podem ser descredenciadas se ficar comprovada para o banco a oferta do jogo ilegal.
A polícia já enviou à Justiça o resultado da investigação envolvendo os estabelecimentos Ferradura Loterias, localizado no Praia de Belas Shopping, X5 Loterias, situado no BarraShoppingSul, e B.S. Loterias, no Bourbon Shopping Ipiranga. Responsável pelo caso, o delegado Tiago Madalosso Baldin, do Núcleo de Repressão aos Jogos Ilícitos da Delegacia Regional de Polícia de Porto Alegre, afirma que o jogo do bicho é um delito de menor potencial ofensivo, investigado por meio de um Termo Circunstanciado (TC).
— A lei é branda. Incentiva a impunidade destes contraventores e estimula a reincidência — lamenta o delegado.
Após identificar que lotéricas de Porto Alegre, com alvará para exploração de jogos legais estariam oferecendo jogos ilegais, principalmente o do bicho, a polícia definiu três pontos em shoppings para comprovar a contravenção por meio de fotografias. O delegado também alertou a Caixa e pediu providências.
— Estabelecidos em locais privilegiados, dentro de shoppings que são pontos de referência na cidade, eles têm a audácia de explorar o jogo do bicho, que é contravenção penal desde a década de 40 no Brasil — comenta Baldin.
O superintendente regional da Caixa, Ruben Danilo de Albuquerque Pickrodt, explica que, quando o banco recebe uma denúncia, é de praxe suspender imediatamente o sinal eletrônico que permite o funcionamento do sistema da lotérica. Nos três estabelecimentos apontados pela polícia, foi aplicada a suspensão. Os responsáveis têm prazo para se defender. 
— Encaminhamos para o nosso jurídico e vamos aplicar as penalidades previstas em contrato. Pode ocorrer a suspensão temporária, a multa ou o descredenciamento — esclarece o superintendente. 
Segundo a Caixa e a Polícia Civil, existem outros casos comprovados de oferta de jogo do bicho em lotéricas. Pickrodt lembra que pelo menos um estabelecimento já teve o contrato anulado em outra situação. 
Contrapontos
B.S. Loterias 
A reportagem de ZH tentou, por cinco vezes, o contato telefônico por meio do número da lotérica entre as 20h e as 22h desta quinta-feira e ninguém atendeu. Também foi enviado um e-mail ao endereço da lotérica disponibilizado no site do shopping, sem resposta.
X5 Loterias
O proprietário Adriano Roberto Garcia afirma que o estabelecimento já apresentou a defesa à Caixa Econômica Federal e nega que o local ofereça jogo do bicho. 
Ferradura Loterias 
Uma das funcionárias que assinou o Termo Circunstanciado informou, por telefone, que não gostaria de se pronunciar sobre o assunto. A reportagem solicitou à ela o posicionamento do proprietário, que não deu retorno. 
ZERO HORA

http://3.bp.blogspot.com/_HihOMm2kfAM/TArvF56LZZI/AAAAAAAABxM/dPV2dHYJ4xU/s1600/Di%C3%A1rio+de+Natal.jpg
ALTO DO RODRIGUES » 
Quadrilha explode BB no interior, monta armadilha para PM e foge 
Publicação: 08/11/2012 07:22 Atualização: 08/11/2012 09:36 

De Rodrigo Matoso para o DN Online
 (Alto Notícias/Divulgação)
 
O Banco do Brasil do município de Alto do Rodrigues, situado a 339 km de distância de Natal, foi surpreendido por uma quadrilha, com cerca de oito homens, na madrugada desta quinta-feira(8), por volta de 2h30, que utilizou explosivos, através de dinamites, para violar pelo menos dois terminais da agência, e fugir em dois veículos, provavelmente, uma Chevrolet Captiva e um Polo.
De acordo com o coronel Francisco Reinaldo, comandante da Polícia Militar no interior, os bandidos levaram as cédulas dos dois terminais, e fugiram com destino ignorado. Ele ainda destaca que na saída da cidade, a quadrilha ainda deixou uma grande quantidade de pregos e armadilhas, estourando e danificando os pneus de quatro viaturas. "Acredito que esses homens habitem cidades como Mossoró e Serra do Mel, principalmente, pela forma que agem e somem sem deixar rastros nas rodovias", disse o comandante da PM.
O comandante da 5ª Companhia, major Fernandes realiza diligências em toda região, mas até o momento nenhum suspeito foi encontrado. A quantia roubada pela quadrilha não foi divulgada e será computada pela gerência da agência.
http://www.indea.mt.gov.br/arquivos/A_e62661ae86138dd8153ca7a20e6dffc0Diario%20de%20Cuiaba.gif
Sexta feira, 09 de novembro de 2012

ESTELIONATO
Oficiais fraudam concurso e acabam exonerados da PM 

Da Reportagem

Dois oficiais da Polícia Militar foram exonerados sob acusação de fraudar o vestibular para o Curso de Formação de Oficiais (CFO). Roberson Ferreira de Jesus e Roberto Leite Dias conseguiram ingressar na corporação porque o irmão de um deles, Deberson Ferreira de Jesus, fez a prova teórica por ambos. 

O “golpe” foi aplicado em dois anos consecutivos, já que Roberson foi aprovado no vestibular realizado em 2010 e Roberto no certame de 2011. Segundo a polícia, Deberson havia cursado o ensino médio na mesma turma que Roberto. Diante do sucesso à frente da prova do irmão, eles resolveram repetir a empreitada. 

A exoneração, publicada no Diário Oficial que circulou ontem, foi oficializada quando Roberson, primeiro deles a ingressar na academia, estava prestes a se tornar oficial. A formatura estava prevista para ocorrer este mês. 

Eles foram descobertos, conforme o relatório da sindicância, apenas em abril deste ano. Uma denúncia anônima chegou à Diretoria da Agência Central de Inteligência. Ela afirmava que Deberson respondeu as provas teóricas dos dois oficiais e que Roberson sequer estava no país na data em que os exames foram realizados. Ele e Roberto teriam realizado apenas os testes físicos para ingressar na PM. 

Durante o processo de investigação, ambos disseram reconhecer o conteúdo dos cartões de resposta de suas provas, mas afirmaram que as letras não lhe pertenciam. A comprovação da fraude, no entanto, foi feita por meio da análise das impressões digitais recolhidas pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), responsável pela realização do concurso. 

Por meio da assessoria, a Unemat afirmou que recebeu a denúncia acerca da fraude por meio da ouvidoria e comunicou a Polícia Militar. Desde então, reforçou os critérios de segurança durante dos vestibulares com a contratação de papiloscopistas – profissionais que identificam impressões digitais – para os certames. 

Além de serem exonerados, os dois oficiais e Deberson devem responder por criminalmente por estelionato, cuja pena pode ser de um a cinco anos de reclusão. A denúncia foi encaminhada à 11ª Vara Especializada da Justiça Militar Estadual. (LN).

http://www.grzero.com.br/wp-content/uploads/2012/04/Tribuna-de-Minas-divulga%C3%A7%C3%A3o.jpg

08 de Novembro de 2012 - 14:24

Polícia Civil fecha três bancas do jogo do bicho

Por Tribuna
Compartilhar
Policiais apreenderam material utilizado para apostas
Policiais apreenderam material utilizado para apostas
Três bancas do jogo do bicho que funcionavam no Centro da cidade foram desmontadas em operação da 7ª Delegacia de Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (8). Os pontos de apostas estavam com as portas abertas na Avenida Rio Branco e nas ruas Batista de Oliveira e Halfeld, em locais de intensa circulação de pessoas. Os policiais apreenderam carimbos, cadernos com anotações referentes à jogatina, blocos de apostas, além de cerca de R$ 500. Três mulheres e um homem flagrados trabalhando na prática do jogo de azar foram conduzidos à sede da delegacia, em Santa Terezinha. Eles assinaram termo de compromisso pela contravenção penal e foram liberados. O caso será encaminhado ao Juizado Especial Criminal.



MINAS GERAIS

08/11/2012 21:55 - Atualizado em 08/11/2012 21:55

Segurança nas 12 cidades-sede da Copa deverá ser integrada com a Interpol

Gabriel Palma - Agência Brasil


BRASÍLIA – A Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) terá um sistema integrado com as 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. A integração foi um dos assuntos discutidos nsta quinta-feira (8) na 1ª Conferência Internacional de Segurança para Grandes Eventos, que reuniu autoridades de segurança do Brasil e do exterior.

Por meio dessa integração, as autoridades brasileiras poderão fazer a checagem de passaportes nas fronteiras e aeroportos usando o sistema de informação da Interpol, que mantêm lista de 75 mil nomes procurados pela Justiça.
 

O modelo de segurança adotado nos Jogos Olímpicos de Londres também foi tratado como referência para o Brasil. Os especialistas ingleses deverão repassar toda a experiência adquirida para os brasileiros.
 

A questão do terrorismo foi outro assunto que esteve na pauta de discussão da conferência. Parcerias com diversos países como a Alemanha, os Estados Unidos, a França e a Colômbia estão sendo desenvolvidas para detectar e impedir ações terroristas.
 

O gerente-geral de Segurança do Comitê Organizador Local da Copa 2014, José Hilário Medeiros, disse que é preciso a definir um perímetro de segurança em torno dos estádios para prevenir o terrorismo. “Isso pode prevenir a ação dos carros-bomba”, disse.
 

Luiz Fernando Corrêa, diretor de Segurança do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de 2016, falou durante o evento e manifestou a sua confiança no trabalho que está sendo desenvolvido pelas autoridades brasileiras e estrangeiras para o sucesso dos Jogos No Rio. “Tenho plena confiança nos operadores de segurança no Brasil e na gerência de segurança internacional”, disse.

http://www.paratyonline.com/jornal/wp-content/uploads/2011/03/A-Cr%C3%ADtica-Manaus.jpg



Tráfico pode movimentar até R$ 150 mil por pessoa em Manaus

O que parece um negócio rentável, no entanto, pode ter como consequência um longo período de reclusão que vai de cinco a 15 anos, além de acarretar em multa de R$ 500 a R$ 1,5 mil, conforme artigo 33 da Lei 11.343/2006

800 papelotes de maconha, cinco porções de pasta base, uma porção de raxixe e material para a fabricação da droga foram encontradas pela polícia
800 papelotes de maconha, cinco porções de pasta base, uma porção de raxixe e material para a fabricação da droga foram encontradas pela polícia (Luiz Vasconcelos)
Cerca de R$ 150 mil. Essa é a estimativa de movimentação mensal de um ‘pequeno’ traficante em Manaus, segundo informou o delegado Sandro Sarkis, titular do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO) da Polícia Civil do Amazonas. O que parece um negócio rentável, no entanto, pode ter como consequência um longo período de reclusão que vai de cinco a 15 anos, além de acarretar em multa de R$ 500 a R$ 1,5 mil, conforme artigo 33 da Lei 11.343/2006.
A referida lei institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (Sisnad); prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências.
De acordo com o delegado, que esteve à frente da ‘Operação Refrigerar’, deflagrada no último dia 1º e que resultou na prisão de 11 pessoas, na referida dada, e outras seis em seguida, além de apreender três menores, apenas essa quadrilha movimentava cerca de R$ 70 mil por semana, ou, R$ 280 mil por mês. Ela atuava nas zonas Sul, Centro-Oeste e Norte de Manaus e era comandada por presidiários via telefone e informantes (intermediadores).
Sarkis explicou que durante a operação foram apreendidos R$ 9,7 em espécie, três notebooks, um veículo, uma motocicleta, material para o preparo e comercialização da droga (balança de precisão, rejunte, bicarbonato de sódio, pasta base de cocaína e 80 trouxinhas de maconha prensada pronta para comercialização, entre outros).
O delegado explicou que o contato para o funcionamento da rede fora do presídio era feito a partir de celulares e de namoradas e familiares de três traficantes identificados como Dri (Adriano), Neguinho e um terceiro cujo nome não foi informado, os quais encontram reclusos em presídios estaduais, mas, ainda assim, conseguiram orientar a quadrilha que operava do lado de fora, atuando no tráfico de drogas e crimes de pistolagem (homicídio).
Sarkis destacou o esforço da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), polícias e Ministério Público para coibir a ação desses criminosos, que mesmo presos, conseguem ter acesso aos comparsas e articular novos crimes. Contudo, informou que esses têm adotado novos mecanismos para burlar a lei, mesmo encarcerados. Prova disso são “os celulares apreendidos a cada vistoria realizada nos presídios”.
O quê diz a lei?
O tráfico de entorpecentes é citado no artigo 33 da Lei 11.343/2006, o qual prevê  o seguinte: “ importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar: Pena - reclusão de 5 (cinco) a 15 (quinze) anos e pagamento de 500 (quinhentos) a 1.500 (mil e quinhentos) dias-multa”.




COLABORAÇÃO MAJOR PM RAMALHO.
















Nenhum comentário:

Postar um comentário